sexta-feira, 27 de junho de 2008

pedido.

wild horses - tori amos

eu queria ser coisa viva. coisa viva de entrar na tua vida e mexer em tudo. colocar a cama no teto e o teto no chão. arrumar briga com o teu sossego e desalinhar o teu horizonte. queria sacudir as tuas pernas enquanto caminhas e te fazer tropeçar, na passarela. porque não me contento com o bom dia, eu quero que me sintas tanto quanto te sinto. quero que me sintas fazendo tranças com as tuas veias. só pra que pulses mais devagar, pulsando tão intensamente por mim. e que não pare. não parando, nem quando os carros dos olhos das pessoas vierem na tua direção dizendo que já passas do limite o sinal está vermelho. quero que ultrapasses o sinal em alta velocidade, por mim.

6 comentários:

Salve Jorge disse...

eu queria que essa sua coisa viva fosse uma lombriga devorando as entranhas da multidão.lombriga bem atrevida que adentra pelas vidas, pelos intestinos até o coração. colocar o útero nos pés e o vômito nas idéias. sem pedir arrego, me alegro com o teu desassossego que vai tornar vermelho o verde dos olhos dela. Acenderei uma vela. Pintarei uma tela. As duas numa caravela preu olhar sempre da minha janela. Jaz ali quebrada uma passarela contarei aos viajantes. Nada é como era antes. Jaz ali ao lado do bufão. Sinta e minta. Menta. Artérias artreiras. Dispare.. diz pare.. disparate se não correr. Corra Lola, corra. Você viu aquilo? Ultrasônico demais pra eles...

Sabrina disse...

profundeza (como tudo por aqui)
um beijo!

Mancha disse...

Ah... aquela estória da bagunça organizada...
do tudo por nada...
e nada sendo tudo...
e nada como útero...
aquilo de ti por mim...
faça o quiser...
mas, fique perto...
só assim eu me desperto...
só assim abro os olhos...
e olho...
e olho...
só olho!


me empolguei!

desculpa!

post bonito!

Cátia Margarida disse...

vivo lendo sem comentar, acho isso uma tragédia por isso finalmente ganhei coragem porque acheu lindo, acho que sinto igual. Quero manchar tudo com o nome dele, o meu nome no corpo dele, o meu nome na mochila dele, no quarto dele, em tudo quanto é lugar. só pra que saibam que eu sou dele e ele é meu. Nisso não gosto que existam confusões ^^

erva d'aninha disse...

linha tênua da sanidade. advogada das causas perdidas que ainda tem jeito. e não vamos dar um jeito. é um problema que não quer solução. um espinho pra não tirar. pra abraçar. todas as causas. e efeitos

essa coisa coisificada. essa vida ressucitada. quantas vezes forem necessárias fazer do coração tripas.

...

deixando minha metapoesia de lado. porque eu quero é vida real. e lendo o que vc escreve me comovo, movo em direção ao antes de me tornar coisa viva vivendo o estamos aí. quando eu era capaz de morrer por amor. ou me matar por amor.

mas não. eu sobrevivi pra te escrever

:: Daniel :: disse...

*boquiaberto.

Bjos